PORTIFÓLIO ATUALIZADO

AMAZONA TATTOO

Minha foto
Rua Araguari, 525 lj 20,em frente a Loja do Cruzeiro no city Shopping TEL: 33172539. E-MAIL aamazonatattoo@yahoo.com.br FACEBOOK: benaia.amazonatatuadora@facebook.com

quarta-feira, 23 de julho de 2008

A Sociedade Alternativa

A chave da sociedade alternativa


A Sociedade Alternativa foi algo muito comentado no Brasil quando Raul Seixas estava no auge da carreira e até mesmo nos dias de hoje, várias pessoas ainda procuram chegar nessa tal sociedade. Mas o que ela tem de fama, tem de escassez teórica.
Na realidade, nem Raul Seixas sabia explicar direito o que era essa Sociedade Alternativa ou talvez fosse como ele dizia na música: "Eu que já vivi pelos quatro cantos do mundo, foi justamente num sonho que ele me falou!"
Como sonhar nunca custou nada, e essa é uma das maiores virtudes do homem, Raulzito não se importou em sonhar. Sonhou com a Sociedade Alternativa, mesmo sabendo que essa seria inatingível. Mas aliás, o que é a Sociedade Alternativa?
Kika Seixas, ex-mulher de Raul que mantém ligação direta com a obra do artista, define a Sociedade Alternativa como sendo apenas um sonho, mais um ponto de vista do público do que dele mesmo.
Kika lembra que certa vez magoou muito Raul, dizendo: "Isso aí é um papo completamente impossível, que Sociedade Alternativa é essa cara?, como é que você quer criar algo, em que base, o que é isso, que palhaçada é essa? Sociedade Alternativa porra nenhuma, você não é capaz de gerir a sua própria vida, a sua família". Ela lembra que Raulzito ficou arrasado naquele dia.
Tudo começou em 1971, quando Raul Seixas conheceu Paulo Coelho, hoje famoso autor de best-sellers no Brasil. Raul tomou a iniciativa de procura-lo, ao ler um artigo sobre discos voadores numa revista alternativa que Paulo Coelho dirigia, chamada "A Pomba".
Tornaram-se amigos, a partir daí Paulo Coelho se tornaria o maior parceiro musical de Raul, ajudando a compor clássicos como "Eu Nasci Há Dez Mil Anos Atrás" e "Gita."
Ainda em 1971, no mês de setembro fundaram a Sociedade Alternativa, que se originou a partir de divagações místico-filosóficas da dupla, que procurava, cada um à sua maneira, um caminho que não fosse o oferecido pelo establishment. Como base desses pensamentos, ganhou força entre os dois a obra de um dos maiores estudiosos do ocultismo do século XX, Aleister Crowley.
Crowley nasceu na Inglaterra em 1875, considerado uma das maiores autoridades esotéricas de nosso tempo era um menino prodígio, aos 4 anos de idade lia a Bíblia em voz alta. Passou a vida estudando as denominadas ciências ocultas e deixou uma vasta obra teórica, onde tenta mostrar como desenvolver e entrar em contato com a energia interior e usá-la produtivamente para modificar por completo a vida.
Ele procurou desenvolver essa energia através de ritos sexuais, mas que só seriam totalmente liberadas com a chegada da Nova Era, período em que as leis sociais seriam definitivamente rompidas para que todos pudessem finalmente viver em plenitude. Para desvincular-se de preconceitos religiosos, Crowley se auto-intitulava a Grande Besta 666, e durante toda a sua vida lutou para popularizar o esoterismo revelando, por diversas vezes, segredos de seitas fechadas, afirmando que o conhecimento é livre, e assim deve permanecer.



O LIVRO DA LEI

A obra de Aleister Crowley que mais de destaca é "The Book Of The Law" (O Livro da Lei). Esse foi o texto fundador da Sociedade Alternativa, que é a expressão da vontade de ver as idéias de Crowley sendo postas em prática.
O Livro da Lei foi publicado apenas uma vez no Brasil , em 1976 , mas foi misteriosamente retirado de circulação. Hoje só encontramos publicações em inglês e espanhol, em livrarias especializadas em esoterismo. Normalmente os círculos de pessoas interessadas em misticismo têm um certo receio da obra e Crowley. Isso se justifica: essa profunda identificação de Crowley com a Verdadeira Tradição não deixa margem a que as correntes ligadas ao obscurantismo absorvessem e neutralizassem sua força. Como no caso da figura do diabo , Crowley foi identificado ao longo deste século com o Maligno, destruidor , perigoso, etc.., mas a verdade é que ele próprio induziu a que tudo isso acontecesse para que o escândalo divulgasse sua obra.
O contato com as idéias do Livro da Lei, marcariam a carreira de Raul Seixas para sempre. Não importa o trabalho de Raul que peguemos a partir daí, sempre encontraremos uma influência filosófica e mística no pensamento do compositor.
A mais clara e famosas dessas referencias foi a célebre canção "Sociedade Alternativa", onde várias frases do livro são citadas. A mais conhecida: "Faze o que tu queres, há de ser tudo da lei."



No final da música, composta por Raul e Paulo Coelho em 1974, eles avisam: "O número 666 chama-se Aleister Crowley."
Não só essa música, mas todo o álbum "Gita" continha uma série de referencias as idéias de Crowley. O nome do disco é uma homenagem ao livro sagrado dos indianos, e a música "O Trem das Sete" também está repleta de citações.
Na canção, Raul usa como alegoria um trem que passava em sua cidade durante a infância. Esse trem passará para buscar os iluminados já aptos a entrar na Era de Aquário. A letra diz: "Vê, é o sinal das trombetas dos anjos e dos guardiões, lá vem Deus deslizando no céu entre plumas de mil megatons, e o mal vem de braços e abraços com o bem num romance astral"
Esse seriam os sinais de que o trem estaria chegando e quem quisesse poderia embarcar, já que: "não precisa passagem nem mesmo bagagem no trem."
Em 1975, Raul anuncia a Nova Era lançando o disco "Novo Aeon", uma outra denominação da mesma Era de Aquário. Em 1976 um dos maiores sucessos de Raul "Eu Nasci Há Dez Mil Anos Atrás" também com citações a Nova Era. Observe-se que, pela mística, há dez mil anos atrás nós estávamos na era de Leão-Aquário, que é diametralmente oposta à nova era de Aquário-Leão que agora está sendo buscada.
A música "Love Is Magick" é inspirada nas idéias de Crowley, que chamava seu conhecimento do ocultismo de magick, com "k", para diferenciá-lo de outras disciplinas.
No seu penúltimo álbum, "A Pedra do Gênesis", de 1988, Raul reafirma-se crowleyano na canção "Lei", que, apesar de constar nos créditos como sua, é, da primeira à última linha, uma transcrição fiel de uma das páginas mais conhecidas de Crowley.

LIBER OZ

Este texto é a introdução clássica ao famoso Livro da Lei de Aleister Crowley. Foi escrito em 1904.
No item 5 o verbo diz "Quereriam". Ou seja: Poderiam Querer. Na verdade , ninguém pode ou consegue contrariar o direito de quem exerce sua verdadeira vontade. Tudo se refere a um processo de crescimento interior. No entanto , o próprio Raul Seixas receitava o texto de forma errada, gravando-o inclusive na música A Lei ( do LP A Pedra do Gênesis) Dizendo: Todo homem tem o direito de matar todos aqueles que contrariarem esses direitos. Isso dá margem a perigosas interpretações para quem desconhece estes detalhes.



A CIDADE DAS ESTRELAS
O lastro teórico da Sociedade Alternativa era, basicamente, os textos de Crowley e as letras de Raul Seixas e Paulo Coelho. Existe uma ausência de material documental que explique como fazer para chegar a ser um cidadão dessa Sociedade Alternativa, por isso, diversas interpretações foram sendo feitas. Falta material coerente para definir o que seria a Sociedade Alternativa, mesmo assim, muitos raul-seixistas continuam sonhando com a chamada Cidade das Estrelas.
Na realidade, a intenção de Raul não era fundar uma comunidade, tinha que ser algo anárquico, mais espiritual do que material. Dessa forma estaríamos de acordo com Crowley, que defendia uma revolução interna do ser humano, que não tinha nada ver com construção de cidades concretas. A Sociedade Alternativa seria apenas a reunião de todos aqueles que estivessem preparados para entrar na Era de Aquário, ou seja, embarcar no Trem das Sete.






EXÍLIO NOS ESTADOS UNIDOS

Roberto Menescal, músico e amigo de Raul conta uma história que ilustra a ingenuidade da dupla que pretendia trazer boas novas ao mundo com a sua Sociedade Alternativa. Em 1974, Raul e Paulo Coelho receberam um convite do porta-voz do general Erneto Geisel, que dizia querer maiores informações sobre a Sociedade Alternativa. Segundo Menescal, ficaram na maior alegria quando receberam o comunicado, porque realmente acreditavam que o governo militar queria discutir com eles suas idéias. Fizeram então diversos contatos com assessores do governo militar, o resultado dessa confiança traduziu-se em buscas ilegais em seus apartamentos, prisão e posterior exílio nos Estados Unidos. Os jornais da época falavam que Raul tinha ido para os Estados Unidos bater um papo com John Lennon. A história do exílio só estourou nos anos 80, quando se podia falar um pouco do que aconteceu na época.
Segundo Raul, ele foi torturado para poder dizer os nomes das pessoas que faziam parte da Sociedade Alternativa, que segundo Geisel, era um movimento revolucionário contra o governo. Então Raulzito resolveu mentir, dizendo que tinha pacto com o demônio ao invés de dizer que tinha parte com a revolução.
Em uma entrevista, Raul disse o seguinte: "Literalmente é choque no saco. Fui torturado mesmo no governo Geisel. Me pegaram no Aterro do Flamengo, me botaram uma carapuça e fiquei três dias num lugar desconhecido. Aí vieram três pessoas: um bonzinho, outro mais inteligente - que fazia as perguntas – e um mais ‘agreste’, mais violento. Depois me colocaram num aeroporto e fui direto para o Greenwich Village (bairro nova-iorquino)"


O IMPRIMATUR

pesar da falta de teoria, a Sociedade Alternativa tinha seu selo, uma espécie de logotipo. O Imprimatur, que em latim significa imprima-se. Na Igreja Católica Apostólica Romana, essa expressão significa a liberação para publicação, após a aprovação de uma autoridade eclesiástica, de um livro sobre assunto teológico ou moral previamente censurado.
Este selo pode ser identificado nas capas dos discos "Krig-Há, Bandolo!", "Gita", "Novo Aeon" e "Há Dez Mil Anos Atrás". A expressão Sociedade Alternativa – Imprimatur está escrita com letras góticas, à moda da cultura medieval. No centro do logo, vemos a representação de uma cruz que é uma variação da chamada cruz Ansata, um hieróglifo egípcio que significa vida e busca de conhecimento e evolução. Na parte inferior da cruz, vemos dois pequenos degraus que transformam a cruz numa chave, que no abrirá para o mundo.

Aleister Crowley

A cruz Ansata (ou ANKH) pode ser facilmente encontrada em toda a literatura que mostra a pictografia egípcia. Para eles , era a Cruz da Vida. Representava ainda o Laço da Sandália do peregrino, do buscador, daquele que quer evoluir , aprender , crescer. Em muitas pinturas egípcias, o deus RÁ ( o sol ) está com seus braços colocando esta cruz no nariz das pessoas. Corresponde ao Sopro da Vida ( um idéia semelhante a criação de Adão, na Cosmogonia Cristã). É também um símbolo da unidade entre o Ser Masculino e Feminino no Cosmos. No selo da Sociedade Alternativa , a cruz Ansata aparece com dois degrauzinhos em baixo, simbolizando tanto os degraus da iniciação , quanto dando forma de um Chave. Evidentemente a chave de todas as portas. A chave da Sociedade Alternativa. A chave da Vida.

UMA VIDA SEM REGRAS
Raul Seixas não se preocupou em elaborar informações concretas sobre a Sociedade Alternativa, isso só iria criar ainda mais regras, o que seria um contra-senso. O Maluco Beleza defendia a liberdade acima de tudo, onde cada um poderia fazer o que quiser. Uma sociedade contendo regras, seu próprio dinheiro, documentos não tem nada de alternativa e Raul Seixas não defendia a criação de uma sociedade nesses meios, e sim uma revolução interna do ser humano. Uma sociedade livre, porque quanto maior o número de regras, menor a chance de alguém se tornar uma metamorfose ambulante.
Segundo Raul, valia pena continuar sonhando com a Nova Era, já que estamos vivendo num mundo caótico e as coisas sempre acabam mudando.
Em uma entrevista em 1986, o grão-vizir do rock brasileiro declara: "A Sociedade Alternativa continua vigorando o tempo todo não importa de que maneira. São alternativas concretas mesmo, que têm de solidificar. Mas não mais com palavras, nem com porta-estandarte...até fui preso por causa disso."
Numa outra entrevista, desta vez em março de 1987, Raul fala o seguinte sobre a Sociedade Alternativa:
"Ela sempre existiu, desde o tempo do Egito antigo. Inclusive o filósofo e estudioso Aleister Crowley, que é o papa maior dessa entidade, se baseou nos papiros egípcios (não aquele em que eu fumei maconha. Esses, cá entre nós, deviam ser muito mais gostosos), uma coisa de Osiris, Iris e Horus – pai, mãe e filho. Ele descobriu um segredo terrível por lá."
"Eu não sei que segredo era esse, porque eu era neófito. Só na quarta iniciação eles contavam o segredo (risos). Por isso eu disse que nunca começou, nem nunca terminou a Sociedade Alternativa. Vi que meu ponto de vista não estava muito longe da AA. E sempre será. Não adianta mentir, mistificar"
MANIFESTO
O texto que segue abaixo está no manifesto/gibi A Fundação Krig-Ha, , distribuído no primeiro show de Raul em SP em 1973. Escrito por Raul e Paulo Coelho, entre outras pessoas, esse manifesto lança a idéia de Sociedade Alternativa. No ano seguinte, todas as cópias desse manifesto seriam recolhidos pela Polícia Federal e queimados como "material subversivo". Raul foi preso e torturado pelo "Dops" e é "convidado" a se retirar do país, retornando ao Brasil pouco mais tarde devido ao sucesso de seu disco "Gita"
Prefácio

Nós vos saudamos, Maria. Nós Vos Saudamos José. E nós saudamos os artistas brasileiros que tiveram o silêncio do resto do mundo quando seus trabalhos e seus corpos foram censurados, mutilados desaparecidos.
Manifesto

1 - O espaço é livre. Todos tem direito de ocupar seu espaço.
2 - O tempo é livre. Todos tem que viver em seu tempo, e fazer jus as promessas, esperanças e armadilhas.
3 - A colheita é livre. Todos tem direito de colher e se alimentar do trigo da criação.
4 - A semente é livre. Todos tem o direito de semear suas idéias sem qualquer coerção da INTELEGENZIA ou da BURRICIA.
5 - Não existe mais a classe dos artistas. Todos nós somos capazes de plantar e de colher. Todos nós vamos mostrar ao mundo e ao Mundo a nossa capacidade de criação.
6 - "Todos nós" somos escritores, donas-de-casa, patrões e empregados, clandestinos e careta, sábios e loucos.
7 - E o grande milagre não será mais ser capaz de andar nas nuvens ou caminhar sobre as águas. O grande milagre será o fato de que todo dia, de manhã até a noite, seremos capazes de caminhar sobre a Terra.
Saudação final do 11o manifesto.
Sucesso a quem ler e guardar este manifesto. Porque nós somos capazes. Todos nós, todos nós somos capazes.
Escrito por: Raul Seixas, Paulo Coelho, Sylvio Passos, Christina Oiticica, Toninho Buda, Ed Cavalcanti
A HUMANIDADE
Quando indagado sobre a evolução da humanidade, Raul Seixas responde:
"Essa é uma pergunta que exige muita reflexão. Tem um livro meu de metafísica em que questiono a tese aristotélica das cinco perguntas básicas: porque, quem, onde, como, qual... Não existem perguntas porque não existem respostas. Não existem respostas porque não existem perguntas. Eu não pergunto absolutamente mais nada. As coisas são, e pronto. Nós seres humanos, somos verbos. Somos e estamos, é única coisa que a gente sabe. Conjecturar, quem há de? E é bonito assumir essa coisa de somente ser... Está todo mundo perguntando até hoje e ninguém tem resposta. Mas ser por ser é bom, torna a vida mais leve e menos violenta. Se todo mundo pensasse assim, as coisas certamente seriam mais fáceis...."




fonte - whiplash.net/materias/especial

AMB - Lista de politicos com o nome sujo


AMB divulga lista de candidatos com o nome "sujo"

Os que tiverem ações penais em andamento serão mencionados

A AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros) vai divulgar a relação dos candidatos que tenham ações penais em andamento na Justiça Federal, Estadual ou Eleitoral. A proposta faz parte da campanha “Eleições Limpas”, que tem como objetivo o voto livre e consciente.
Segundo o juiz Paulo Henrique Machado, coordenador da campanha, a AMB vai solicitar aos juízes das 3.200 zonas eleitorais de todo o país a lista dos candidatos que tenham ficha penal “suja”. A idéia é divulgar os nomes na página da AMB na internet. “O voto livre e consciente só se exerce com informação, que não pode ser sonegada ao eleitor”, afirmou.
Machado explicou que todos os candidatos são obrigados a apresentar certidões criminais da Justiça Federal, Estadual e Eleitoral, conforme determina a legislação eleitoral. “Se tiver processo em andamento, o juiz eleitoral tem como saber”, afirmou.
O coordenador da campanha explicou que a legislação eleitoral não obriga a apresentação de certidões para verificar a existência de processos civis. “Porém, na maioria das vezes uma ação civil pública por ato de improbidade administrativa, por exemplo, pode resultar em uma ação penal”, afirmou. Machado disse que a AMB espera divulgar a lista até o fim de julho, uma vez que os candidatos têm prazo até 5 de julho para solicitar o registro à Justiça Eleitoral.
Engraçado
kjekekjkekekjekje
Lista pequena não?
Visto que muitos politicos com o nome sujo não estão concorrendo a nenhum cargo no momento
enquanto muitos outros ja estão eleitos,,,,
estes são muito perigosos, pois sendo corruptos eles tambem podem ser os corruptores......
Q coisa não...

Deuses Egipcíos - Ápis


Ápis Boi com marcas na pele e disco solar entre os chifres, ou cabeça de boi; ligado a Ptah; sepultura em Saqqara.






O MAIS VENERADO e o mais célebre dos animais sagrados é, sem nenhuma dúvida, o touro Ápis (Hep em egípcio). Os antigos egípcios consideravam-no como a expressão mais completa da divindade sob a forma animal e represetaram-no muitas vezes como, por exemplo, nesta estatueta que se vê ao lado. Diferentemente de outras divindades, era sempre representado na forma animal e nunca na forma humana com cabeça animal. Ele encarnava, ao mesmo tempo, os deuses Osíris e Ptah. O culto do touro Ápis, em Mênfis, existia desde a I dinastia pelo menos. Também em Heliópolis e Hermópolis este animal era venerado desde tempos remotos.


ANTIGA DIVINDADE AGRÁRIA, simbolizava a força vital da natureza e sua força geradora. Dizia a lenda que Ptah, sob a aparência de fogo celeste, engravidou uma vaca virgem que concebeu um touro preto, o qual se tornou o porta-voz ou o duplo de Ptah. Esse touro negro sagrado de Mênfis deveria ter certos sinais ou manchas: na fronte, uma mancha branca quadrada; no dorso, a figura dum abutre ou duma águia; sob a língua, um nó em forma de escaravelho; os pêlos da cauda numa mescla de branco e preto e, enfim, um crescente branco sobre o lado direito do corpo. Encontrado um bezerro com tais características pelos sacerdotes especiais chamados os Bastões de Ápis, o animal era conduzido a Mênfis em uma barca dourada e em grande pompa, depois de ter sido nutrido unicamente por mulheres durante 40 dias. Uma vez entronizado cerimoniosamente, vivia no seu santuário, ao lado do deus Ptah, a mais importante divindade menfita, da qual era tido como o arauto, a imagem viva. Sua mãe, um animal também reverenciado, era sua esposa legítima, mas tinha também vacas concubinas cuidadosamente escolhidas.


DISTRIBUIA ORÁCULOS, recebia oferendas, participava de procissões. Um festival dedicado ao deus se estendia por sete dias. O povo se reunia em Mênfis para ver os sacerdotes conduzirem o animal sagrado numa procissão de louvor em meio da acolhedora multidão. Enquanto vivia era alimentado com iguarias, cumulado de honras. A partir do Período Saíta, iniciado em 664 a.C., os oráculos alcançaram grande popularidade. Um dos mais procurados era justamente o do touro Ápis, em Mênfis. Além de se acreditar que qualquer criança que aspirasse a respiração do animal seria capaz de predizer o futuro, também se interrogava o próprio touro. O indivíduo que consultava o oráculo postava-se diante do animal e fazia a sua pergunta. A resposta do deus que o animal encarnava podia vir de várias maneiras. Por exemplo, o bovino podia aceitar ou não a comida que lhe ofereciam; podia, também, entrar ou não em uma determinada sala e cada uma de tais atitudes seria um agouro bom ou mau, conforme estabelecido anteriormente pelos sacerdotes.


AO MORRER, ERA mumificado, fechado num sarcófago, submetido a ritos funerários que se estendiam por 60 dias, tomava lugar numa tumba, ao lado de seus predecessores, enfim, era enterrado como se fosse um príncipe. Quando um dos animais sagrados morria — nos diz o historiador grego Diodoro de Sicília — era envolvido em um sudário; e, golpeando-se o peito e lançando gemidos, conduziam-no à casa dos embalsamadores. Logo se preparava seu corpo com o azeite de cedro e outras substâncias adequadas à conservação; era depositado depois em caixas sagradas. Nessa ocasião, o povo inteiro ficava de luto, que só cessava quando os sacerdotes encontrassem um touro com as mesmas características daquele que havia falecido. Um templo menfita que abrigava grandes estelas de alabastro era o local no qual os touros eram embalsamados. Após a preparação do corpo e dos órgãos internos, o animal, numa posição agachada, era envolto em intrincadas bandagens. Eram inseridos olhos artificiais, seu chifre e face ou eram dourados ou cobertos com uma máscara de folhas de ouro e o animal era coberto com uma mortalha. Na figura acima vemos uma estatueta em bronze do sagrado touro Ápis, conservada no Museu Britânico de Londres. Observe o disco solar entre os chifres.
O TÚMULO MAIS ANTIGO dessa divindade encontrado intacto é do reinado do faraó Horemheb (c. 1319 a 1307 a.C.), sendo a múmia bastante atípica. Era constituída apenas pela cabeça do touro, desprovida de carne e de pele, apoiada num grande bloco negro. Ao ser examinado, esse bloco mostrou ser um aglomerado de resina, ossos bovinos quebrados e fragmentos de folhas de ouro, tudo envolto em bandagens de fino linho. Os
vasos canopos do touro estavam cheios de um material resinoso de origem não determinada. Escavando sob o piso da câmara mortuária, os arqueólogos encontraram uma dúzia de grandes vasos de barro não cozido contendo cinzas e ossos queimados. Como outros conjuntos similares de vasos também foram encontrados em outras tumbas do boi Ápis, alguns estudiosos afirmam que, pelo menos durante o Império Novo (c. 1550 a 1070 a.C.), o corpo do animal era cozido e comido pelo faraó e sacerdotes antes do enterro. Haveria, talvez, uma conexão entre essa descoberta e o assim chamado Hino Canibal do Texto das Pirâmides, que se refere ao fato do rei devorar os deuses para assimilar seus poderes. Seja essa hipótese correta ou não, nenhum outro animal sagrado parece ter sido devorado por seus antigos guardiães. Os touros Ápis subsequêntes foram mumificados inteiros e um papiro da XXVI dinastia descreve o método usado para isso.
ATÉ A XVIII dinastia (c. 1550 a 1307 a.C.) cada um desses touros sagrados tinha sua sepultura particular. Foi Ramsés II (c. 1290 a 1224 a.C.), faraó já da XIX dinastia, quem mandou sepultá-los em uma câmara mortuária comum, conhecida como Serapeum, nome derivado da palavra grega Serápis, uma catacumba precedida por uma avenida de esfinges.
ESTRABÃO, um geógrafo grego, deixou em sua obra indicações precisas sobre a localização desse estranho cemitério e baseado em tais informações foi possível encontrar, na necrópole de Saqqara, numerosas múmias de touros sagrados.
Note as marcas da pele na estatueta do touro Ápis acima
A CÂMARA mortuária estava cavada depois de um corredor que penetrava 400 metros no rochedo. Em nichos, os touros repousavam em magníficos sarcófagos de granito escuro ou de quartzo amarelo e vermelho, os quais medem quatro metros de altura e pesam entre 60 e 80 toneladas. O que vemos ao lado é um dos mais bonitos, altamente polido, com hieróglifos e entalhes do tipo "fachada de palácio". Para ver um detalhe desse sarcófago,
clique aqui. Um total de 24 sarcófagos dessa natureza foram encontrados nessas câmaras laterais que se abrem para o corredor principal cavado na rocha. Havia duas galerias abrigando os animais: a primeira, com comprimento de 68 metros, foi mandada construir por Ramsés II; a segunda, com 198 metros de comprimento, foi construída durante a XXVI dinastia (664 a 525 a.C.), em ângulo reto com a primeira. O primeiro touro enterrado nessa segunda galeria morreu no ano 52 do reinado de Psamético I (664 a 610 a.C.) e o local continuou a ser utilizado até o período greco-romano. O culto do boi Ápis sobreviveu até que o imperador Honório o baniu e causou a destuição do Serapeum no ano 398 da nossa era. Como só havia um destes animais de cada vez, calcula-se que de 14 em 14 anos, aproximadamente, acontecia o funeral de um touro Ápis. Nenhuma múmia foi encontrada intacta, pois os ladrões de jóias passaram por lá. Escavações realizadas em 1964 trouxeram à luz galerias de vacas mumificadas, denominadas mães de Ápis, bem como de falcões, íbis e babuínos.
O AUTOR DA DESCOBERTA do Serapeum, realizada em 1851, foi o pesquisador francês Mariette, o qual, ao encontrar um desses túmulos escreveu admirado:
Fiquei profundamente impressionado quando penetrei na sepultura do touro Ápis, que nenhum ser humano freqüentara desde milênios... Mas que sorte! no fim de alguns dias, descobri um nicho murado que escapara às pesquisas dos pilhantes. Ramsés II fê-la murar, em 1270 a.C., conforme explica a inscrição. A marca dos dedos do egípcio que pôs a última pedra do muro se vê ainda, nitidamente, sobre a cal, assim como a de seus pés sobre um rastro de areia esquecida. Nada faltava nesse retiro fúnebre onde um touro embalsamado repousava desde 4.700 anos.QUANDO PTOLOMEU I (304 a 284 a.C.) assumiu o controle do Egito, criou uma nova divindade, numa tentativa de unificar os gregos e os egípcios pelo estabelecimento de um deus que fosse familiar às duas culturas. Essa nova divindade foi chamada de Serápis (Osíris-Ápis) e combinava características dos deuses gregos Zeus, Asclépio e Dionísio com as do deus egípcio Osíris e as do culto do sagrado touro Ápis. Sua aparência era grega: um homem barbado e de cabelos encaracolados, usando algo semelhante a um moderno vaso de flores na cabeça. Mas também tinha algumas das características do touro Ápis e um nome egípcio. Era encarado pelos egípcios como um deus da fertilidade e do mundo subterrâneo e tolerado por eles, mas não verdadeiramente aceito. Nessa época, embora em vida o touro fosse considerado uma encarnação de Ptah e as efígies de Ápis continuassem a trazer o disco solar entre os chifres, após a morte o animal era comparado a Osíris (sua veste negra lembrava a cor do deus) e adorado sob o novo nome e aspecto, tendo se tornado o deus nacional do Egito durante o Período Ptolomaico (304 a 30 a.C.).

Deuses Egípcios - Amon



Amon
Amon era considerado o rei dos deuses, muitas vezes era associado ao deus Rá (ou Ré) formando assim o deus Amon-Rá considerado o deus que traz o sol e a vida ao Egito.Era representado com a forma de um homem em túnicas reais com duas plumas no cabelo.O deus Amon era acompanhado de sua mulher Mut (representada num corpo de mulher mas com cabeça de abutre ou coroas).









Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...